Resposta ao Tempo

Vivo... feliz, triste, desajeitada, respeitada e as vezes desacreditada. MAS VIVO!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Amigo, sinto muito se não fui o "tipo" que arranhou o disco da tua melhor canção.
Amigo, que tudo que foi dito não vire um livro, somente citação...
Mude a estação, não quero ofender teu coração...

Fostes apenas um refrão da minha íntima confusão.
Não sou sua canção! Não sou a melodia: "teu perigo", "teu bandido" e "amor sem razão"
Entenda; foste meu abrigo,
Não enganei teu coração...


Não há perigo! Entre amigos o Sim pode ser Não...




_____*******______*******


O mundo é louco? 

Uma dose de loucura e a loucura  estende-se...

Entende-se a loucura?

Não há respostas...

São apenas opiniões.

Quem sabe as opiniões sejam temporárias....

Temporária nesta vida... 

Atemporal no coração.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A moça quer mais; um pouco mais te tudo:
Um pouco mais de dia, um pouco mais de noite. 
Quer um pouco mais de estudo; leitura e pensamento... quer conhecimento!
Ela precisa de um pouco mais de tempo...
Ela quer mais...muito mais... 
Quer viver além da Norma Padrão...
Viver na Literatura da vida.
Quer desassossego...
Sossego, só no aconchego do amor, do lar,  A acompanhar.

(Esse "A" não é Craseado? "Nunca antes de verbo minha querida, o que não afeta em nada a beleza do texto" #Costa)...#UmpOco+deSócio...linguística!!!


iiiii... não fechou aspas!

terça-feira, 28 de agosto de 2012


E passei a cometer loucuras...
Tenho atitudes e comportamentos... Insanos!
Os que me viam não me reconhecem mais!
E vou contar...estou louca!!! sou Insana!
Louca e insana...
Louca
e
Insana
Dentre as maiores loucuras a que me cai melhor é a de ficar em casa no ninho do teu aconchego...
Logo eu, que sempre fui uma peregrina de lar, de mim mesma... da vida!!!!
Loucura boa essa minha, essa nossa!
Passei a me sentir insana, pois, estou a cada dia respirando melhor,
Sem nuvens escuras, sem tosse e voz rouca...
Sim! eu respiro melhor... Que loucura!!!
Loucuras... 
Sem passar noites em claro com Chico e meu Campari,
derramando rios de lágrimas sem saber o motivo,
acreditando que a solidão era o motivo da emoção.
Que loucura! Ouvir o mesmo Chico e entrar em êxtase,
num dia qualquer, sem precisar morrer, beber,
apenas vibrar com a voz, com o sentido da canção pela canção!
Que loucura mais chata essa minha, ando lendo, escrevendo em paz...
ando sorrindo, me respeitando, estudando...
sem uma vida leviana, escura, de quase alegria e noites sombrias...
No escuro vejo luz!!
Na luz... descubro a penumbra a me proporcionar romantismo...
Eu que sempre falei sobre felicidade
Me descubro vivendo feliz...ao andar e me achar em mim!
Felicidade essa que hoje é a ternura, afeto, paixão, explosão!
É o amor por mim e ao me ver na calmaria do que encontro em ti...
video
minha cor ... âmbar...

domingo, 27 de novembro de 2011

Nº1


Minha alma sendo beijada...
...úmido...quente...longo...
Minha alma sendo beijada...
Calmo...lento...intenso...
Minha alma sendo beijada...
Arrepio...palpitação...excitação.
Minha alma sendo beijada...
Desejo...querer...fervor...
Minha alma sendo beijada...
Paz...Certeza...Alegria.
Minha alma sendo beijada...
Sentido... Sentindo...Sorrindo.
Minha alma sendo beijada...
Olhar...abraço...afago...
Minha alma sendo beijada.
Desespero...êxtase...confusão...
Minha alma sendo beijada...
Promessa...Palavra...Compromisso...
Minha alma sendo beijada...
Corpo...mente...emoção...
Minha alma sendo beijada...
Lingua...queixo...tesão...
Minha alma sendo beijada...
Cheiro...pescoço...Ombro...
Minha alma sendo beijada...
Face...braço...Olho...
Minha alma sendo beijada...
Nariz...Respiração...Absolvição...
Minha alma sendo beijada...
Mansidão...eternidade...Entrega...
Minha alma sendo beijada...
Amor...fé...perfeição!







segunda-feira, 14 de novembro de 2011

APENAS... AGRADEÇO!


E meus pés estão no chão e 
por isso...Posso andar nas nuvens...
Vejo o céu aberto e se abrindo mais
Esse céu azul me fascinando...
Contemplo a beleza da vida....
Tenho asas de um pássaro... livre...
Me encanto com essa minha vida...
Tenho satisfação em vivê-la.
Parece que não tenho escolha...
Os dias me levam a uma felicidade constante...
Esperançosa...
Creio nos dias que vivo...
Acredito em cada amanhecer e anoitecer...
Não estou com ilusões...
Tenho fé...
Sinto Deus, o Amor e a vida se revelarem compensadores a cada segundo.
Obrigada!


sexta-feira, 11 de novembro de 2011


Sentindo uma leve dor...
Aquela que só acontece no centro do medo e da insegurança...
Uma fisgada no peito, acompanhada de uma leve falta de ar...
O rosto ferve, esquenta...
Os pensamentos se confundem...
A expressão se modifica...
Que sensação estranha...
Como se toda a capacidade de eternidade se desfizesse em segundos...
Nada me destrói como ele...
Ele me deixa com a alma trêmula de medo... de pavor...
E sei que sua permanência pode destruir com todos os sentimentos nobres que existem dentro de mim. 
Preciso absorver a mesma esperança de ontem.
Preciso limpar essa dor, esse sufoco que me tortura.
Sai de mim... seu possuidor e torturador...
Amor chega aqui e me deixa leve... me olha?
Diz que posso te ter e querer pela eternidade?
Amor...ELE ME CEGA!
Sai de mim............................................................................Ciúme!


sábado, 5 de novembro de 2011

Verdade da Alma...


O que posso dizer de ti?
Deixas de ser um sonho dourado... Confuso e só.
Deixas se ser meu temor...
Devolves-me crença...
Vejo de tão perto... o Amor...
O mundo me chamaria de iludida...
Ao me ouvir falar tão calma, tão decidida...
Mas, a certeza que tenho é no teu olhar...
Que me absorve a alma lentamente...
Não tenho medo de nada quando olho pra ti.
Não tenho medo nem de não te ver chegar...
Amado...
Amante...
Teria com você mais de cinquenta mil noites de Amor
E beijos intermináveis em três dias...
E mesmo assim não cansaria de dizer: para Sempre!
És... meu presente, não só porque me dás no presente a satisfação...
Mas, porque ao te olhar um espelho da verdade reflete minha alma.
Eu jurei que já tinha tido tudo e...
Tu me apareces... dizendo... mostrando...que nunca tive nada!
Jurei e por isso... Menti!
E tu me vens e prometes... Sem saber que devolves MINHA promessa!
E somem minhas descrenças...
Sem ilusões! Sem desilusões!
Cegando-me ao enxergar:
Teus olhos, teu atos... Tua voz...
Me devolvem o colorido da alma.
Não te peço nada!
Não me pedes nada!
E a vida me leva pra ti e a vida te traz para mim...
E o que somos torna-se infinitamente meu PRESENTE.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011


Cortaram minhas mãos,
Vejo minha carne...
Meu sangue jorra pelos olhos...
Arrancaram-me a Alma!!
Não sinto as pernas! Meus joelhos doem...
Caio em terra...

Meu Ar...foi embora!!
Volta Ar...
Que dor!


Meu peito foi aberto com uma calma devastadora...
...dilacerado!
e sangra...
Sangro Inteira!
Que dor!!!!
Minha Alma vaga...como uma penada.
Buscando Luz!
Buscando Sentido!
Arrancaram-me os cabelos...
É dor...Meu espirito está perdido!
Meus cabelos doem!
Estou banhada em sangue...
Tentam esmagar meu coração!
Vou morrer!
Estou em pedaços...
Incapaz!
Vou morrer!
Que desespero!
Que dor!!!!!!!!
Ar...Preciso de AR!
Suplico...
Preciso de Ar...
Preciso te respirar...




sábado, 29 de outubro de 2011

Alma sedenta...


Ó alma que sangra!
Que suplica outra alma como se fosse tua.
Ó alma louca...que arde, arde...arde.
Desejo que deseja, deseja...deseja.
Paixão que inflama...
Boca que quer...
Mãos que sonha...
Braços, abraços que buscas...deitar...sossegar!

Ó alma!

Não é só febre!
Não é só fogo...
Não é um surto de alma louca...
Queres acalanto...

Ó Alma...Minha alma...
Volta a si...
Olha para a tua frente...
E o que tens?
Nada?
Nada...
Nada me faz parar de pensar...
O quanto minh'alma quer essa outra alma!
Não existe: mesa, cadeira... razão...

Ó alma...
Ouço teu coração em desespero...
E meu peito se abre e tu foges, corres..atrás de um carro...
E imploras...
Não vá!
Não vá!
Fica aqui...Fica aqui por favor...
Fica aqui... para sempre...









sábado, 22 de outubro de 2011

O tempo de um sonho...


Quanto tempo dura um sonho?
Por quanto tempo se pode sonhar acordada?
Ouço muitas vozes,
Mas, nenhuma fala comigo...
Escuto risos...gargalhadas, mas, ninguém me sorri.
Então é isso!!
Estou eu e uma cadeira a minha frente!
Um suco por favor?! ..............E algo pra comer...
Tudo bem! Tudo bem...
Essa pergunta, grita em minha mente:
Quanto tempo se pode sonhar?
Estou ruborizada! Meu rosto ferve...queima!
Olho para os carros que passam na rua...
Agora, olho para os carros estacionados...
Nenhum passou ou parou por mim...
Continuo...eu...e...essa cadeira bem na minha frente!
Talvez, essa cadeira esteja exatamente aqui EM MINHA FRENTE
Para me fazer companhia.
Ou, ela espera que eu levante e desocupe a cadeira que sento... sua real companhia?!
Hum???!!!
Isso seria possível?
Não!
Cadeiras não tem vida... Cadeiras de madeira principalmente, pois, são a  representação da natureza transformada em um objeto inanimado.
Enfim...
Cadeiras podem ser bonitas (não é o caso desta), mas, não tem vida!
E Eu, estou viva!
Quanto tempo dura um sonho?
Sair de si...entrar em órbita, SONHAR, imaginar, rir à toa, apaixonar-se...inconscientemente...SONHAR!
Quanto tempo dura estar viva e sonhar acordada?
Quanto tempo dura estar viva e acordar de um sonho?
Estou fervendo! Acordada! Com os pés fincados do chão!
Minha razão arranca desenfreada o sonho que chamei a dias de esperança.
Não tem a ver com minha esperança de vida, mas, com a esperança de um sonho.
Sonhar com essa esperança tem um preço alto quando se olha para esta realidade e para esta cadeira...
Eu, a mesa, a cadeira, o suco, a caneta, minha razão...
Acordada, depois de sonhar por 3024 minutos...ou 48 horas?
Quanto tempo se pode sonhar acordada?
A VERDADE é que a REALIDADE está aqui na minha frente, estampada no fato, no ato...
Não se pode sonhar desenfreada...
É preciso ter muito cuidado com as falsas esperanças que o sonho cria.
Posso tudo...
Mas, preciso acordar de um sonho bom...sem me assustar!
Falo de sonhos! Sustos em sonhos são chamados de pesadelos!
Quero rir do meu sonho, com cara de boba, sem me sentir idiota!
Verdades singelas, doces...sem me cravar no peito a perplexidade!
Quanto tempo dura um sonho quando se está acordada?
É preciso ter fé, ter foco, ter esperança!
Nem muito, nem pouco...
Entender que SOU EU...e falo comigo com minhas vozes de razão e emoção!
Essas vozes me fazem entender essa cadeira à minha frente...vazia!
Sem me fazer desesperar ou deixar de sonhar!
É preciso sonhar!
Sonhos impossíveis, improváveis, diários...
Porém, existe uma cadeira à minha frente!
Minha pele está fervendo agora!
Estou viva! Acordada!
E isso de certa forma me faz bem...
Pode parecer que sonhei com um muito,
Olho a realidade que não chega a doer 
e percebo que este sonho é pouco para o que quero!
E o que quero?
Não quero entender que Sou Eu e Eu depois de um sonho.
Eu tenho calma e insônia...
E sinto tudo acordada em um sonho...
Sentindo, sentidos estranhos...amáveis..reais...irreais.
De fato...
Me basto (por enquanto).
Mas, sonhar sem susto me bastaria mais...
Meus olhos estão muito abertos...
E quanto tempo se pode sonhar acordada ou acordar sonhando?
Quanto tempo mais devo sonhar sem precisar acordar quando olhar ao me redor (para uma cadeira)?
Apenas Sonhar e viver velhos sonhos!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011


Senta aqui...
E olha pra mim...
Olha-me com a ternura dos teus doces olhos
E me sorri...
Dá-me o Cinismo mais puro de tua boca...
E ME SORRI!
Segura em minhas mãos...
E conta....
Algo pra beber?
O que vamos comer?
Você me traz pizza, eu te conto um conto...
Uma coca-cola e ai você fala... Sobre uma longa história de amor...
Tanto em comum...
Tudo tão incomum!
E vamos assim construindo a NOSSA história...
Vem aqui Nina...
Me conta alegre e apaixonada cada vírgula das tuas histórias mais engraçadas.
E diz: Ele é Lindo, aqueles olhos verdes!!!!!
Lindos?? São teus olhos reluzentes!
Quem te tocou?
Quem te roubou?
Quem te criou?
E teu Primeiro Amor?
E tua escola?
Toca em mim, sou teu melhor amigo...
E...
Dentro de tudo isso... e dentro de um nada... hoje
Uma risada...
Nossas vidas sendo encontradas...
Como almas entrelaçadas...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Toda Calma....Você chegou.




Fica aqui meu bem...ainda é cedo...
Não vá embora,
Não me leve agora...ao inferno...
Não te deixarei queimar assim,
Mesmo que nossos corpos digam SIM,
O que grita em mim é o coração!
Não me deixe sentir o fogo arder,
Sem saber o porquê.
Nada vai mudar em meus olhos,
Apenas não escreverei que em teus braços
Quero adormecer.
Nada vai mudar, você vai ficar
Serás meu melhor amigo,
Meu Bem...
Meu melhor bem!
Serei seu ombro
Aconchego
Sua alma favorita...
Só espere um pouco,
Teu coração vai abrandar...
E serei sua melhor amiga,
Mesmo que nunca te beije,
Nunca te toque em chamas...
E quando em minhas mãos tocar,
Entenderás...
Que a eternidade é pouca e mesmo louco o amor pode chegar...


quarta-feira, 5 de outubro de 2011

No ar que eu respiro...

Então é ar...
Respira ou sufoca?
Então é fogo...
Que flameja,
Que proporção almeja?
É flor... sem odor... multicor...
Cor dos olhos... na moldura...
Vermelho! Na face, na pele...
E na boca... Boca... pequena...Sorri em um canto....
No encanto de partir, no exato tempo!
Inspira, expira... Respira!
É ar...
Ousadia e Timidez!
É fogo...
Aroma... que avisa a chegada e partida...
Tão latente... Dessa mente... Inquietante...
Envolvente... em um momento...
Pertinente!





Agora é por enquanto e pode ser para sempre!

domingo, 25 de setembro de 2011

Mein Schuh ...



"MEU sapato...
Um dia está fechado...
Um dia está aberto
Meu SAPATO!"




Durch: Zeise

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O Outro...



...Tem mãos vazias, buscando carícias sem toques... cotidianos não diários, sem súplica de ausência, sem massacre de presença, sem implorar por uma alma. 
Um afago sutil... Como se massageasse o ego do inimigo...
E o inimigo é anjo; não cai, não se volta, não abandona e nem se torna perdição.
E quando é inferno que se vive: É fogo provocado, amantes sem fervor!
E quando é céu que se vive: É amor não amado!
São carícias tão humanas... que chegam a ser desumanas.
Um querer vindo de olhos tão vazios...De um sorriso tão frio.

Um arrepio!!!

E algo, ainda que solitário começou a acontecer...
A terra silenciosamente tremeu e uma estúpida gota de mar ... caiu...
O rio é brando, segue seu curso sem pensar, sem pesar, sem desaguar...
Um palpitar frenético ensaiou uma tempestade... mas o vento... ah! o vento...
Não fez redemoinhos nas folhas secas próxima as margens da indecisão.

Então, os olhos discretamente voltaram ao nada observado.
A natureza morta do Outro permanece morta!!
O Amor em nada se espantou, deitou-se, esperou a terra, sua mais nobre razão o cobrir novamente e mesmo sem uma ávida esperança e já em asfixia pensou: Será que O Outro desse Outro ainda está ai?
E o tempo respondeu: Não!


“Olhei-me na alma e senti suas mãos de amor...
Olhei-te na alma e vi minhas mãos de amor.
Fui para O Outro o que O Outro foi pra mim.” 





.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

"O sonho de um amigo, comigo"



Amiga:
"Sonhei com você está noite. Um sonho tão legal, a gente corria de mãos dadas numa noite chuvosa por uma rua de paralelepípedos e casas antigas. Estávamos felizes cantando e gargalhando. Entrávamos em uma casinha estilo chalé (acho que eu morava lá) e eu servia para nós um delicioso espaguete e tomávámos vinho, estava frio, muito frio, estávamos molhadas, ao redor era tudo muito rústico, os móveis, o chão...nossa alegria era contagiante, gargalhavámos, parecia que estávamos comemorando algo, devoramos o espaguete e o meu despertador tocou!
Aff! Hora de ir para a labuta! Acordei disposta e feliz. Sonho bom!"

Dedico:
Que bom! Sonhaste comigo, que procuro abrigo... e me abrigaste quente...feliz e contente!
Corremos na chuva de mãos dadas...como estou me sentindo confortada e bem acordada!
Amo dar risadas, me acabo em gargalhadas...
Penso agora fortificada, se teu coração é essa casa mencionada, um chalé rústico, de som acústico...que deseja a verdade sonhada?!
Sonho Bom...
Fechei os olhos e te encontrei amiga, querida...
Sonhei também, que há tempos te conhecia.
E no seco do vinho te apreciei, o despertador parou... e também me senti disposta!




quinta-feira, 28 de julho de 2011

Uma dor quase física...



O que sangra não é o corpo... É o espirito.
O que dói não é o coração... é o peito...
O que cega não são os olhos... é o olhar.
O que esfria não é frio, é a alma.
O que amedronta não é o medo, é a vida.
O que mata não é a morte, é a saudade.
Tantos porquês... Com tantos clichês...

A dor é quase física... É moral.
A mentira é real... A verdade: anormal!
Os cacos não são vidros... São os fatos.
O que se bebe não é água, é a sede.
O que se esquece não é o passado... É o futuro!
O que se dorme não é o sono, é o sonho...
O que se desama não é o Amor, é a presença.
Desistir não é covardia... É cansar.
Dizer Adeus não é partir... É seguir.

“O pensamento é pensado, às vezes pesado no peso, como se pesa a importância de um dia, de um ditado, em um dito poema...”

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Abro as portas pra vida, pra ser VIVIDA! :D


Sexta a noite e eu Sozinha em casa.... Nada de saídas, acho que são 4 (quatro) meses assim, talvez um pouco mais, a verdade é que deixei de contar os dias, porque entendi que escolhi isso e foi de peito aberto. Tudo tão diferente... Já li 3 livros, sabe a quanto tempo não fazia isso?
Reencontro não é apenas uma imposição de melhora, porque você tem que provar o quanto está feliz, reencontrar-se é (no meu caso) entender as minhas escolhas certas e perdoar as erradas. Encontrar-me no que eu nem sei o que sou ou o que quero. Entender que sou visceral nos pensamentos e muito medrosa nas ações... Mas não mexe com isso, por que reajo rápido, ok?  
Entender-me...conhecer-me... Meu reencontro tem sido esse.
Pergunto-me se meus planos mudaram? Respondo; Não! Mudei o trajeto, mudei o caminho e até mudei de lugar, mas, os planos são os mesmos, só um pouco mais urgentes e eu me sinto mais tranqüila para realizá-los. 
Reorganizei a vida e olho ao meu redor e vejo tudo ainda muito bagunçado e realmente não quero que fique muito certinho, não me sinto a vontade...
Não me acostumo com silêncio em absoluto, mas, gosto dele absolutamente nesse momento.
Desacostumei com a solidão, não gosto mais da presença dessa sensação, mas, às vezes, ela me visita e choro copiosamente.
Meu maior defeito é ser excessivamente afetiva, minha maior qualidade? Ser excessivamente afetiva!! Meu desafio? Saber lidar com isso.
Sinto-me tão feliz, tão humana e entenda, essa felicidade é igual à de todos, cheia de infelicidades também. É igual a sua!
Você deve estar se perguntando e o Amor? Eu respondo: Tenho aprendido a me amar, esse é o caminho, no mais... estou em paz, de verdade!
Eu e meu violão...arranhando uma canção!
Ah! Aprendi a gostar muito de rúcula e já sinto o sabor delicioso da beterraba... e... devoro dois Tablitos por semana...rsrsrs!

"Deve ser
uma ilha descoberta em mim
um sinal de que seria assim
começar gostar de ti
Deve ser um princípio de fascinação
o poder de uma revolução (J.V)"



ESTA NÃO É UMA OBRA DE FICÇÃO E CORRESPONDE À OPINIÃO/ATITUDES/ORIENTAÇÃO MORAL E ÉTICA DA AUTORA.

domingo, 17 de julho de 2011

Recrutas!

Olhando ao redor,
Estou no centro de um bombardeio.
Milhões de fuzis...
Todos a postos para a guerra.
Tiro, Alvo, meta...
Vingança secreta.
Serena trama...
Estou no centro!
Milhões de miras...
Alvejada de desconfiança.
Meu corpo não sangra!
Uma punhalada de insegurança...
No centro de mim...
O vento faz rugir um primeiro disparo.
Em minha direção...
Pele de chumbo...
Devolvo o arranhão.
Olhar matador: Peso, medida
Minha alma sangra...
Alvejada de traição, mentira e encenação.
Amador de opinião!
Abro o braço, espero o feito...
Recuo...
Batalha perdida!
Soldados recrutas,
Cada um que volte para os seus
Eu no centro...
Ferida, frustrada, Viva!
Volto para os meus
Pausa para guerra. FIM!

sexta-feira, 1 de julho de 2011

OPOSTA!

Quando Voltas 
Quase morta
Te deleitas
Em meu peito
E me suga
feito fuga
E desamas
Quando ama
e me fere
quando mentes
Vais em frente
de repente.
Quando voltas
toda oposta
e te guarda
em meus pés
e te mostra
tão presente
Eu te sinto
Tão ausente
Por que mentes
e nem sentes
que eu sinto
teu repente.
E me adora
E me devora
... A mente.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

4ª Série Primária!


Meu romantismo... Tua razão.


Minhas lágrimas... Teu olhar.
Meu Sorriso... Tua gargalhada.
Meus pés flutuando... Teus pés no chão.
Meus exageros... Tua orientação..
Minha raiva... Teu ponto final.
Minha mágoa... Tua distância.
Meu amor gritado... O teu calado.
Minha loucura... Tua sensatez.




Meu "porre"... Teu amendoim.
Meus poemas...Tua matemática.
Minha alvorada... Tua lua. 
Minha Chuva... Tua praia.
Minha ausência... Teu silêncio.
Meu tempo... Teu tempo!
Meu desespero... Teu: Ai amiga!
Meu amor MESMO por ti... Teu amor MUITO por mim.
Minha saudade... Tua presença.
Minha maturidade... Tua autoridade.
Meu Castelo Mágico...Tu? Minha Muralha!

                                                                                
Tão próximas, tão opostas... Tão eternamente ligadas por uma força chamada AMOR, traduzido em nossas vidas através do aprendizado, respeito e a VONTADE de DEUS em abençoar isso. 
Eu tenho uma MELHOR amiga!
Essa é minha forma de dizer: "Tô aqui seeeempre!" Parabéns Professora!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Engano meu



Desencantar dos passos que pedi pra me acompanhar
Desenhar a menina que encantou teu olhar
Iludir com certezas incertas daquele luar.
Desiludir das Incertezas ditas como certas na noite inquieta.
Fugir da fuga pavorosa...
Olhos gelados te buscando...
Só teus olhos me viam
Sumir com o valor invalidado pelas mesmas palavras.
Esquecer o infinito dos dias que “jurei” amar.
Queimar meu mar...
Meu mar te incendiar
Nas cinzas desse encontro...
Um para sempre desencontro
É o fim do início...sem meio...sem vestígios.
Nada existe.
Existe o Nada.
Irreconhecível segredo, compartilhado pelos olhos deslumbrados.
Amores Impossíveis...
Impossível Amar...
Impossível TE amar.
Prefixos impercebíveis pela vontade de enganar.
Engano seu
Engano meu
Tudo consumado...
Consumo...Inexistente...Irremediável.







Em 2008

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Embriaguez da Alma

Zum zum...
Zumbido...Zumbi.
“Zoado”
Ruído...punido
Luzir, feixe de luz.
Um copo d’água
Zum, zum...
Zumbido
Sede!
Tic tac... amanheceu?
Inquieta voz da alma.
Um copo d’água.
Lucidez!
 -------------------------------------------------
“Era um quarto escuro, uma janela com feixe de luz. Era um copo d’água, um ruído da alma, um barulho de redenção.
Era o amor apavorado, um sorriso com lágrimas, uma noite que não terminava...
Era o corpo embriagado.
Um carro, dez carros, assustando!
Um silêncio traiçoeiro... e as horas não passavam.
A porta fechada, o feixe de luz...
Um copo d’água no criado.
Um corpo perturbado. Uma alma perdida!
E agora? Faltam quinze para o sol. Apagou!!!!
Lucidez!!
Era a corrida apavorada, suja! Limpa! de volta para o Amor!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Descarregando o Eu.


Um cenário, onde o personagem principal sou eu, não o eu que você conhece, não o eu que eu mesma conheço, mas, o eu do eu, que pode ser exatamente o que sou eu, ou em nada tem haver com que parece ser eu.
Um cenário, onde a boca não fala as palavras desconcertantes da mente, o silêncio parece invadir latente, ardente e a mente grita e muitas vezes de forma desconexa, em um turbilhão de sentimentos e informações tão íntimas que chegam a saltar pelos olhos através das lágrimas: amor, ódio, paixão, rancor, raiva, carinho, razão. Tento dar sentido a tanta emoção, tento decifrar um eu que não conheço, o corpo manifesta em tons vermelhos a explosão de ideias, as dores nas têmporas atropelam a síntese das palavras e latejam, me fazendo até sufocar.
As mãos movimentam em gestos corriqueiros dando ênfase ao dedilhar eufórico em cada letra do alfabeto inerte nesta matéria a minha frente. Acredito ou tento acreditar que conseguirei extrair a confusão de ideias que surgem a cada segundo, atropelando a ideia inicial, deixando a voz interna, perdida em teorias questionadas a cada releitura do que saiu e o que deveria ter sido explorado ficou perdido na vontade de escrever, interrompida por uma limitação chamada “bateria descarregada”.
As inúmeras vozes ao meu redor tentam desconcentrar-me...Mas...
Descarregou...

terça-feira, 24 de maio de 2011

Olhos do Coração

No alcance do não te ver...
Meus olhos te lêem.
No alcance de não te ver...
Meus olhos te moldam.
No alcance do não saber...
Meus olham te sabem.
Meus olhos fechados te imaginam.
Meus olhos em silêncio te chamam.
Meus olhos de tão cegos...
Te enxergam...
E perguntas: Como posso te ver tanto?
Meus Olhos, não são os olhos de presença.
Meus olhos, são os Olhos do coração.



(Para as minhas Lis).

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Negação!




Posso ceder-me em consignação
Usa-me
Experimenta e...
Prova-me
Se de objeto posso servir-te
Dá-me o meu valor
Digo que estou em tuas mãos
E Dôo-me em redenção
E se rendida, aceita a doação
Adora-me
E pague-me na contemplação
Ofereço-te uma relação.
Se em teus dedos servir
Dar-te-ei as minhas mãos
E segure-as até a perdição
Ouso dar-te minha paixão
Se a quiseres...
Queima-te no fogo dessa ilusão
Pois logo em cinzas cessará essa explosão
Só Nego-te aqui meu coração
Pois esse dar-se, sem solicitação. 

Desarmonia

Sucumbir, sumir
Assumir, assombrar.
Apavorado medo de ir.
Ir sem medo de apavorar
Sabotar a luz
Descumprir ideais
Não andar, nunca voltar... atrás.
A frente um sombra.
Segurar o medo
Esconder-se no pavor de ser.
Sabotar a si.
Mentir para si.
Verdade revelada da alma:
...
Estático
Inerte
Inalterado
Sem passos
...
Mente veloz
O corpo para
A mente segue.
...
O real é ilusão
A ilusão é real
Sem ir nem vir
...
Não há harmonia entre coragem e medo.


Em 2008

Nós, nó...
Laços perfeitos.
Lindos efeitos!
Nós...nó...
Laço Refeito!
Um feito, um ser...um só.
Nós de um só.
Um só nó...
Nossos defeitos...desfeitos.
Ainda há um nó!



Em 2008

Noite exata

Noite exata
Ao lado a Luz
No horizonte finito
Claro e veloz
Calmo...acalmo
Clareia manhã
Escurece os olhos...
Inquieta voz...
Lua clara, claro o sol
O Sol da Lua
A Lua de lá...
A luz da noite
A noite do dia
A noite da lua.
A manhã da lua
O adeus a lua.
Na chegada do Sol
No calor do Sol
O calor dentro de mim.
A lua clara escondeu-se no sol.
...vimos...
Visto! Deslumbrado, misturado...
Embaçado:
Noite e Sol...
Lua e dia.


Em 2008

O Sempre e O Mesmo...

O que é o sempre?
O que é o mesmo?
O mesmo sempre...
O sempre novamente.

Mesmo?
Amar-te mesmo!
Desejar-te mesmo!
Querer-te mesmo!
Ter-te mesmo!
Adorar-te mesmo!

Sempre?
Sempre te amar!
Sempre te desejar!
Sempre te querer!
Sempre te ter!
Sempre te adorar!

Responde o sempre...
Responde o mesmo...
O mesmo sempre
O sempre é o mesmo... Infinitamente!


Em 2008